Documentário: “Por quem os sinos dobram?”; Conheça a tradição do ofício dos sineiros

Documentário: “Por quem os sinos dobram?”; Conheça a tradição do ofício dos sineiros

Amanda de Paula Almeida, Luciano Lobo, Maria Eduarda Gomes

Os sinos tocam no alto das igrejas barrocas há centenas de anos. É uma tradição cultural que já faz parte da paisagem de várias cidades mineiras, inclusive de Mariana. Contudo, os toques já não são os mesmos por aqui, com o passar dos anos a tradição foi se modificando, assim como os responsáveis por tocá-los. Os sons se tornaram mais raros, alguns não existem mais e outros surgiram há pouco tempo, como o toque de São Roque, criado em 2015. E ao ouvir os badalares, algumas questões emergem: Por que os sinos tocam? Será que alguém faleceu? Ou é dia de festa? Já é hora da missa?

Para responder a essas perguntas o Lampião foi atrás dos sineiros. O ofício foi registrado como patrimônio imaterial cultural do Brasil em 2009, uma forma de exaltar a tradição, a composição e o saber dessa arte. No entanto, surge a inquietação: por quem dobram os sinos? Ou, melhor, quem são os responsáveis por dobrá-los? No mini documentário abaixo, mostraremos como, tradicionalmente, a historicidade e a permanência da linguagem dos sinos das igrejas em Mariana impactam a população e a própria cultura religiosa da cidade.

 

“Nenhum homem é uma ilha, inteiramente isolado, todo homem é um pedaço de um continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntai: Por quem os sinos dobram; eles dobram por vós”

  • John Donne