Editorial – Edição Especial 36

EDITORIAL: CARLA CRUZ
 
 

Não são apenas números. Não são apenas estatísticas. São mais de 4 mil vidas perdidas por dia no Brasil. E mais de 350 mil mortes no país desde o início da pandemia. Mais de 350 mil amores da vida de alguém. A escalada do número de óbitos diários parece não ter fim, enquanto o governo brasileiro, com tamanha irresponsabilidade, ignora a realidade e foca ainda em espalhar notícias falsas e deslegitimar o jornalismo sério e verdadeiro. Além de, há pouco mais de um ano, propagar uma política de morte. 

Vivemos tempos difíceis. Nós diríamos que um dos mais difíceis que nossa geração já viveu. Tempos em que, muito além da política, tivemos que reinventar a nossa rotina, quem somos e como partilhamos bons momentos. Tempos difíceis esses em que nós, futuros jornalistas, precisamos bater de frente com figuras públicas que tentam nos calar ou nos deslegitimar. Tempos difíceis esses em que tivemos que nos adaptar ao virtual, ao #FiqueEmCasa e ao fazer jornalístico totalmente remoto. 

É por essas e várias outras razões que a edição especial 36 do Jornal Lampião busca abordar a temática pandêmica. Não só por questões do presente, mas também como forma de resistência. Que a verdade seja sempre dita. E que, mesmo em um país em que o número de jornalistas mortos por Covid-19 é maior que todos os outros, nós ainda possamos lutar pela divulgação da verdade e pela possibilidade de contar a história de muitos, diversas vezes silenciados ou esquecidos. 

Estamos aqui porque acreditamos no jornalismo de verdade, aquele que fala para o outro, que traz informação e, principalmente, conhecimento. Estamos aqui para mostrar que, muito além de um governo genocida, existe esperança, existem pessoas que lutam pelo futuro e que estão dispostas a criar um amanhã melhor. 

Nós começamos a graduação prontos para produzir um jornalismo presencial, mas infelizmente, a realidade é outra. Somos 38 alunos que, auxiliados por dois monitores e seis professores, estamos nos desafiando diariamente a produzir um jornal laboratório totalmente remoto. Nossa escolha em produzir um jornal totalmente digital veio da impossibilidade de distribuir uma edição impressa pelas cidades de Mariana e Ouro Preto, além de pensar em estratégias para produzir conteúdos de forma segura e eficiente. Buscando, assim, alcançar nosso público mesmo sem sair de casa. 

Estamos, no momento, distantes de abraços calorosos ou de reuniões de pauta com aquele lanchinho especial. Mas, uma coisa é certa: estamos juntos pela vontade de fazer acontecer, de produzir notícia de valor e de alcançar nosso público de maneira efetiva, mesmo com uma nova formatação. 

Nesta edição especial, nós trazemos muito além de números e estatísticas. Ouvimos pessoas reais acerca das suas vidas, sendo linha de frente neste momento tão delicado. Apresentamos os desafios da educação, bem como de artistas, artesãos e agricultores. Nos aprofundamos em como, mesmo distantes, familiares ainda se unem com apoio das tecnologias; além de como mulheres fortes e batalhadoras ajustam suas rotinas ao famoso “home office”. Buscamos entender também, de forma delicada, os impactos desta pandemia na saúde mental das pessoas. Apuramos, entrevistamos, pesquisamos e produzimos conteúdos que retratam a realidade pandêmica na Região dos Inconfidentes, que é também a verdade de todo o Brasil.

Desejamos que você, nosso leitor, ao navegar nas páginas do nosso site, e também das nossas redes sociais, encontre a nossa essência e, principalmente, entenda que, muito além de estatísticas e mortes, ainda há histórias a serem contadas e partilhadas. Que possamos sempre nos apegar à verdade e que tenhamos sempre esperança e força para lutar por um amanhã melhor. Não são só números. São vidas, são histórias, são protagonistas de bons momentos. Não são só informações. São produções jornalísticas que podem salvar vidas, que podem ensinar e também revolucionar.