Desastres ambientais no Brasil: Uma triste realidade

Desastres ambientais no Brasil: Uma triste realidade
Texto: Narrian Gomes / Foto: Stênio Lima

É possível prevenir um desastre ambiental? Desastres ambientais acontecem, infelizmente, com muita frequência em todas as partes do mundo e eles podem ser de origem natural ou causados por ação humana. Desastres ambientais naturais, como o furacão Michael que destruiu parte da Flórida (EUA) nesta semana não podem ser evitados, é algo que foge do controle humano, mas os seus impactos podem ser minimizados. O Japão é um ótimo exemplo disso. Esse país asiático se encontra em uma área de grandes terremotos e tsunamis mas desenvolveu ao longo dos anos, diversas técnicas para proteger sua população dos desastres naturais. Culturalmente, as pessoas foram acostumadas a construir as suas casas de materiais leves para não se machucarem com possíveis desabamentos. Além disso, o país é possuidor de tecnologias extremamente desenvolvidas de monitoramento que avisam com horas de antecedência se há algum desastre iminente, o que dá aos cidadãos tempo suficiente para se protegerem.  

Grande parte dos desastres ambientais que acontecem pelo mundo são causados por ações humanas e, em sua maioria, por falhas de grandes empresas. Se até mesmo desastres de origem natural podem ter seus impactos minimizados por planejamento e estatísticas, desastres ambientais de origem humana podem ser evitados da mesma maneira.

Um acontecimento extremamente discutido nos últimos anos foi o rompimento da barragem em Mariana, consequência do erro de uma grande empresa. Além desse, muitos outros desastres ambientais ocorreram no Brasil ao longo de sua história. Trazemos nesse texto uma seleção de três dos maiores e mais marcantes desastres ambientais não naturais que já atingiram o Brasil. O critério que usamos para escolher os incidentes citados abaixo é o impacto por eles causados e a área por eles atingida.

 

3-  Incêndio na Vila Socó

Começamos com o mais antigo entre os que serão apresentados aqui: o incêndio na Vila Socó. Ocorrido em fevereiro de 1984, na cidade de Cubatão (SP), esse grande incêndio aconteceu após uma falha em um dos canais subterrâneos da empresa Petrobrás, que resultou no vazamento de 700 mil litros de gasolina. Como a área não tinha nenhum plano de evacuação para incêndios, 93 pessoas foram mortas e outras ficaram feridas. Além disso, grande parte do solo e dos lençóis freáticos da região foram contaminados pelo combustível.

 

2- Vazamento de óleo na Baía de Guanabara

O próximo acontecimento de nossa lista ocorreu em 18 de janeiro de 2000, na Baía de Guanabara (RJ). Nesse dia um duto de transporte, também da empresa Petrobrás, que ligava a Refinaria de Duque de Caxias ao terminal Ilha d’Água, localizado na Ilha do Governador, se rompeu e derramou cerca de 1,3 milhões de litros de óleo, in natura, nas águas do mar. O incidente resultou na morte de praticamente toda a fauna e flora da região e afetou as vidas de milhares de famílias que viviam ao redor e tinham o seu sustento de alguma forma retirado da Baía.

 

1- Rompimento da barragem em Mariana (MG)

Como a maioria de nós já sabemos, o rompimento da Barragem de Fundão da empresa mineradora Samarco, em Mariana (MG) foi o maior desastre ambiental da história de nosso país. O rompimento ocorreu no dia cinco de novembro de 2015, liberando 62 milhões de metros cúbicos de lama e rejeitos, que destruíram distritos, contaminaram toda a extensão do Rio Doce e tiraram as vidas de 18 pessoas. Esse foi considerado por especialistas o maior desastre ambiental da história de nosso país e o maior relacionado a barragens do mundo inteiro.

 

No dia cinco de novembro deste ano o desastre do rompimento da barragem de Fundão completa três anos e o Jornal LAMPIÃO fará uma reportagem especial dos três anos de crime. Nessa reportagem, trataremos principalmente dos danos ambientais causados por ele em um processo de comparação de antes e depois do acontecido. Você poderá conferir essa matéria aqui mesmo no site nas primeiras semanas do mês de novembro. Fique ligado!

 

Veja o que já fizemos sobre o desastre da Samarco:

https://issuu.com/jornallampiao/docs/lampiao_ed21_web

https://lampiaodigital.ufop.br/index.php/novo-bento-a-angustia-da-espera/